A PORTELA + 1
 

       Se um futuro aeroporto na Margem Sul se deve expandir de modo a absorver a Portela, ou se devemos, em definitivo, adoptar a fórmula Portela+1,  é um problema que teremos de resolver, talvez, daqui a 10 anos. 

 

      Antes, teremos de resolver o problema da travessia ferroviária do Tejo,  o do TGV para o Porto e, sobretudo, teremos de desenhar muito bem a implantação do futuro aeroporto, que deverá, naturalmente, ser construido por fases. 

 

      Teremos de fazer algo de semelhante ao que os espanhóis estão a fazer no novo aeroporto a 170 km ao Sul de Madrid, onde construiram uma pista  e uma torre de controle dimensionada para todos os futuros desenvolvimentos.

 

      No nosso caso temos a vantagem de construir o novo aeroporto a 30 km de Lisboa.  É conveniente  que  os nossos melhores técnicos de aeronautica sejam chamados para discutir e apreciar o seu projecto.

 

       Em qualquer caso, a Portela vai funcionar, pelo menos mais 15 ou 20 anos.

 

       É  desejável que a Câmara de Lisboa  e outras Câmaras ribeirinhas do Tejo criem Gabinetes de Estudo para discutir este e outros projectos.

 

                        António Brotas

                               Professor Jubilado do IST

 
(Publicado em vários jornais em Outubro de 2007)