LISBOA 2020 – UMA METROPOLE COMPETITIVA

 

              INFORMAÇÃO DIVULGADA POR EMAIL EM  29 DE OUTUBRO

 

    Realizaram-se na Fundação Cidade de Lisboa (no Campo Grande, 380) nos dias 8, 15 e 21 (às 18 h) três conferências integradas no Ciclo LISBOA 2020 – UMA METROPOLE COMPETITIVA e realiza-se uma quarta, amanhã, dia 30.

    Na primeira conferência, moderada pelo Eng. Álvaro Pinto Correia, Presidente da Fundação, falaram o Doutor João Ferrão, Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, o Arquitecto Manuel Salgado, Vereador da Câmara Municipal de Lisboa, e o Prof. Fernando Nunes da Silva do IST.

    A conferência de amanhã será moderada pelo Dr. António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

 

    Reproduz-se a seguir (de memória) uma curta intervenção feita no final da primeira conferência no periodo de intervenções dos presentes:

 

     “……… estou de acordo com o Arquitecto Manuel Salgado quando diz que estas conferências são muito uteis, as razões é que poderão não ser inteiramente as mesmas. ………….

      Manuel Salgado disse que as cidades são hoje construidas pelos privados e não pelos puderes públicos, que se reservam o papel de reguladores.

     Ora, eu penso que os poderes públicos têm um outro papel fundamental, o de decisores.

     Para o provar escrevi aqui uma lista de previsões (minhas) de como será Lisboa no ano 2020:

 

1-     A ponte ferroviária para o Barreiro não será feita.

2-     O Aeroporto da Portela continuará em funcionamento.

3-     Os primeiros aviões começarão a aterrar em Alcochete.

4-      A Terceira Travessia Ferroviária do Tejo será (provavelmente) perto de Alverca.

5-     A futura linha de bitola europeia para o Porto seguirá (provavelmente) pela margem esquerda do Tejo até perto da Chamisca (em qualquer caso não seguirá pelo vale do Trancão).

6-     O tunel rodoviário da Trafaria a Algés (ou eventualmente uma ponte) estará a ser feito

7-     A golada estará fechada (ligação contínua por terra ao Bugio)

 

      Todas estas previsões dependem das decisões dos poderes publicos.

      Encontros como este e outros que se venham a verificar são importantes, exactamente, para permitir aos poderes publicos ouvir e nalguma medida discutir os problemas com o público e com técnicos que queiram apresentar as suas opiniões para que as suas decissões sejam o mais acertadas e consensuais possiveis.

                 António Brotas"

 

       Realiza-se amanhã um encontro na Sociedade de Geografia de Lisboa sobre o estuário do Tejo com as 4 seguintes sessões: 

 

A-    Problemas de eventuais travessias do Tejo por tunel (às 9:30)

 

      B-   Problemas de navegação no estuário (às 10:30)

 

      C-   Possiveis obras com grande impacto físico (às 14:30)

 

       D  -Questões ambientais, síntese e recomendações (16:30)

 

 

(  NOTA :  Os dois encontros anunciados realizaram-se efectivamente, o primeiro com o Arq.  

         Manuel Salgado a substituir o Dr. António Costa impedido de comparecer.

                O jornal “Global” publicou no dia 31 as  7 previsões acima indicadas.)